Meu perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, CASTELO BRANCO, Homem, de 36 a 45 anos, Arte e cultura, Cinema e vídeo



Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL
 UOL SITES
 Diario de Cores
 Fábula Portátil
 Márcia Maia
 Mudança de Ventos
 Carpinejar
 Jesus me Chicoteia
 Voando pelo céu da boca
 Linaldo Guedes
 Ana Peluso
 Escafandro
 Renato Félix
 Leminski
 Claudio Daniel
 Portalbip
 Cronopios
 Bestiario
 Oceanos e desertos
 Paulo de Toledo
 Revista Continente
 Mariana Mesquita
 Fullbag
 Papel passado
 Poligrafia
 Siga o coelho branco
 A casa das mil portas
 Marpessa
 Germina
 Plinio Fuentes
 1000 images
 Livro dos dias
 Além da rua
 Daniel Sampaio
 Balde de água suja
 Não que importe
 Clube do Conto
 Algaravia
 Antoniel Campos
 Amanda K
 Zona Branca
 Saudade do Papel
 Achados e Perdidos
 Dona Estulticia
 Depósito do Calvin
 Geraldo Maciel
 Zooreta (blog de literatura animal)




Engrenagem
 


Lau Siqueira

Texto Sentido

 

 

O novo livro de poemas de Lau Siqueira, Texto Sentido, é uma pergunta: com que intensidade vida e arte podem seguir adiante? Também são outras coisas: inventário de espantos, armação de nuvens, legado, baú. Depois é uma resposta feliz. Está na cara, em cada página. Quando se é poeta, é e pronto. Sem teses, sem tribos, sem rótulos. O que o seu livro é, incontestável: trabalho consciente com a linguagem. O que não é: plataforma de estéreis discussões. O leitor pode ter cem olhos ou pode ser míope, pode enxergar uma paisagem ou uma fechadura. Mas o livro está aí. E Lau traz abertamente um diálogo com seus viventes, seu jeito de mirar e acertar o alvo. Quintana, Leminski, Bashô, Augusto, Ginsberg, Pessoa. Como um cubo mágico, o que se gira cria outros problemas, sugere outras infinitas soluções.

Vem daí que em Texto Sentido Lau alterna os pólos, ora soa mínimo e exato, ora derruba a taça e espraia versos, arriscando soar verboso – embora não soe, pois está senhor do ritmo. Em alguns momentos, as metáforas dão conta da beleza – e se sustentam só por isso, sem indicar o caminho: os ventos são algazarras / do infinito / em nossos (...)

Se há um projeto visível neste livro é o da diversidade: alias, não há melhor resposta para a “inutilidade” da poesia. Ela é ciência das coisas que não se capturam por lógica e classificação. “A vastidão é um átomo”, vaticina o poeta. Sob este aspecto, mesmo que fosse um logro – e qual livro não vacila no fio que separa o joio do trigo? – Texto Sentido toca adiante suas dissonâncias e harmonias: “estirando / espinhos para o mundo / um cacto resiste”.

Lau Siqueira tem uma trajetória pautada na resistência. Faz porque quer fazer, porque gosta e porque tem consciência de linguagem. Namora com o texto solto, de grande fôlego enquanto pisca o olho para a noção espacial de que a página é uma arena que comporta funções. Faz dos poemas quartos de pensar, de ir seguindo em frente, de estruturar e decidir o que é relevo, o que é ranhura. Tudo faz mais sentido do que pedir licença para um ou para outro para exercer um rótulo. E isto Texto Sentido parece não aceitar. Daí, soar honesto, nas qualidades e defeitos.



Escrito por André às 11h11
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]