Meu perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, CASTELO BRANCO, Homem, de 36 a 45 anos, Arte e cultura, Cinema e vídeo



Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL
 UOL SITES
 Diario de Cores
 Fábula Portátil
 Márcia Maia
 Mudança de Ventos
 Carpinejar
 Jesus me Chicoteia
 Voando pelo céu da boca
 Linaldo Guedes
 Ana Peluso
 Escafandro
 Renato Félix
 Leminski
 Claudio Daniel
 Portalbip
 Cronopios
 Bestiario
 Oceanos e desertos
 Paulo de Toledo
 Revista Continente
 Mariana Mesquita
 Fullbag
 Papel passado
 Poligrafia
 Siga o coelho branco
 A casa das mil portas
 Marpessa
 Germina
 Plinio Fuentes
 1000 images
 Livro dos dias
 Além da rua
 Daniel Sampaio
 Balde de água suja
 Não que importe
 Clube do Conto
 Algaravia
 Antoniel Campos
 Amanda K
 Zona Branca
 Saudade do Papel
 Achados e Perdidos
 Dona Estulticia
 Depósito do Calvin
 Geraldo Maciel
 Zooreta (blog de literatura animal)




Engrenagem
 


 

Vamos sussurrar, não à Meca,

preces acima do martírio

e esperar que os patíbulos ergam o ar

acima dos condenados.

 

Não homenagear a ausência, e ir um pouco

além, sequer estender o véu

que a palavra exata, o verso feito espada

nos feriu, vindo de Recife.

 

Alberto, como um cão de olhos só faro

indo de rastro em aço, foi para os lajedos

para que o musgo seja pressentido

por sobre a pedra que faísca, a poesia.

 

Ali descansa um poeta; dói um poema.

 


Alberto da Cunha Melo tem uma poesia de cunho especular, rarefeita, por não se vender ao óbvio, e mais cortante do que muita faca amolada. Merecia ser celebrada sempre, e não apenas por seu criador nos deixar como legado. Um poeta já é um legado, independente das contingências da vida e da morte. Conheci muito pouco em vida, mas aprendi a conviver e me maravilhar com sua obra - do qual, apenas dois livros seguram minha estante. O alicerce está aí, para sempre. Fica a minha homenagem.



Escrito por André às 13h33
[] [envie esta mensagem
] []





Náufrago

Eu afundo com muita facilidade. Não em grandes extensões marítimas. Não tem nada a ver com água, afogamento, estertor. Não na praia, no rio, nem no lago. Eu afundo perto de mulheres. As que eu desejo. As que eu quero tocar. Não tenho rotas definidas, e minha bússola não é confiável. Em vez de mapa, tenho espinhas. E não sou capitão coisa nenhuma. Sou marinheiro de primeira viagem. Sou do subúrbio, a quem chamo de ilhas. Adoro Moby Dick, mas não cheguei ao fim. Não é o mar, mas a calmaria que me assusta ali. Então largo o romance, experimento a terra firme, vou de arpão para as mulheres. Tem uma menina na rua, eu consegui chegar muito perto. Ela aceitou dividir um banco de praça. Não sei se por curiosidade, troça e tédio dos dias. Talvez uma mistura. Até dobrar a esquina e ir me aproximando da praça, senti a dureza do chão, tinha uma rota - era eu. Quando me aproximei, fui me apagando, o chão ficou movediço, pantanoso. Quando sentei no banco, passei a enjoar, não tinha o prumo das frases. É assim mesmo, pensei. Você divisa ao longe um peixe que parece pequeno, e que cabe na idéia do arpão. Você tem a obsessão de Ahab. Aos poucos, basta aproximar, a brancura violenta e os olhinhos náufragos te observando, e as sardas (esta baleiazinha tem sardas) te faz sentir indo na direção dela com o arpão mais te ferindo do que ameaçando a presa. E mal ando na lâmina do oceano, fingindo heroísmo, o pé vai afundando. Juro a mim mesmo: isto é um banco, um banco, um banco. Pensava, de cimento: mas é de areia. Quem escapa para o fundo é a baleia. Quem encalha de vez sou eu.



Escrito por André às 17h30
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]